• Guia de Investimento

Digital Influencer: saiba como se tornar um


Já não é segredo para ninguém como a internet mudou a nossa rotina, e como algumas pessoas conseguem mudar de vida graças ao poder dela. O que nem todo mundo imagina é quanto dinheiro e quanto impacto um digital influencer pode causar.


Nos últimos anos tem ficado cada vez mais claro que os influenciadores digitais são as mais novas celebridades do Brasil e do mundo. De fato, eles têm ditado novas tendências, hábitos e até opiniões sobre todo tipo de assunto.


Com o advento do marketing digital e a disseminação da internet, o que antes era reservado apenas a grandes cantores e atores do cinema ou da televisão, hoje pode ser atingido por qualquer pessoa com um celular na mão.


Contudo, não é tão simples assim, pois são vários os elementos que ajudaram cada influencer a chegar na posição em que está atualmente. Além disso, junto com a fama e o dinheiro vieram também as responsabilidades.


A prova disso é que não é raro ver um influenciador fazer algo que seu público rejeita, tropeçando em alguma pauta “politicamente incorreta”, como se diz atualmente, e acabar perdendo seguidores, ou mesmo sendo implicado legalmente.


Em alguns casos e escândalos já ocorreu de o influencer acabar deixando as redes sociais, ao menos por um tempo, até que a crise de imagem fosse superada. Por isso, já não se trata apenas de começar a produzir conteúdo e sair falando o que dá na cabeça.


Hoje, embora ainda seja possível começar do absoluto zero, o mais indicado é reservar um bom tempo para estudar o mercado. Isso pode se dar com a ajuda de um co-produtor, ou por meio de artigos como este que decidimos escrever.


Além disso, também é importante frisar que decidimos colaborar com este material, que traz conceitos mais elaborados e também dicas práticas, pois o ramo dos influencers tem se tornado isso mesmo: um nicho de mercado.


Ou seja, hoje ser influenciador digital já não significa necessariamente ter vida de celebridade, ou ficar milionário da noite para o dia. Afinal, algumas pessoas com bem menos seguidores já podem surgir no radar de várias marcas anunciantes.


Como a essência desse trabalho é gerar tráfego, para então poder faturar com anúncios, propagandas e infoprodutos, saiba que qualquer um pode começar a empreender nas redes sociais, falando do que gosta, e ganhar dinheiro com isso.


Por dentro do universo dos influencers

Como já deve ter ficado claro, o digital influencer é um formador de opinião. Ao contrário das pessoas que antes faziam isso por meio da televisão ou do rádio, ele atua nas redes sociais, promovendo sua imagem, sua experiência em algo ou mesmo sua rotina.


Ao se destacar entre milhões de pessoas que trafegam nessas mídias, ele gera uma quantidade enorme de views, que se aproxima do que antes chamavam ibope. Assim, entre um e outro assunto, ele indica algo como aula de pilates funcional.


Aí é que está o “milagre”, no fundo, trata-se de marketing. Porém, de um modo totalmente revisitado pela realidade das redes sociais, das tendências das Gerações Y e Z, que buscam soluções cada vez mais customizadas, e daí em diante.


O seu trabalho consiste em manter seus seguidores interessados em sua presença digital, gerando visitas, cliques e curtidas. Depois, ele monetiza isso por meio de parcerias comerciais, ou por meio da promoção do seu próprio negócio.


Segundo levantamento da AdWeek, empresa de pesquisas digitais, mais de 70% dos jovens acreditam mais nos influencers do que em outras celebridades. Além disso, atualmente essa indústria já movimenta cerca de 10 bilhões de dólares por ano.


Esse valor se refere ao mundo todo. Mas como vimos, os influencers de menor porte também fazem parte desse número astronômico.


Uma empresa de creme rejuvenescedor e clareador, por exemplo, pode ver vantagem em priorizar alguém que tenha mais sinergia com sua marca, mesmo que tenha menos seguidores.


Geralmente, os grandes influencers contam com mais de um milhão de seguidores. Mas é possível fazer um trabalho menor acima de 100 mil. Para vender produtos próprios, algo em torno de 5 mil seguidores já é suficiente para começar a ter algum retorno.


Os prós e os contras dessa profissão

Além da contextualização dada acima, que é indispensável para você que quer saber como se tornar um influencer, também é preciso levar em conta os benefícios que essa profissão pode trazer, bem como os desafios e aspectos não tão satisfatórios.


O maior benefício de todos é o de passar o dia fazendo ou falando daquilo que você mais gosta, conforme será aprofundado abaixo. Se você adora tecnologia, e pode falar sempre disso, vai ser natural promover algo como conserto iphone tela quebrada.


Outro benefício está na flexibilidade de horário e em fazer sua própria agenda. Além disso, a mobilidade e a liberdade que vêm com isso também são tentadoras. Sem falar no fato de que os investimentos iniciais são irrisórios se comparado com as oportunidades.


Cada vez mais as empresas buscam por esse tipo de marketing, então com o tempo você poderá trabalhar de qualquer lugar do mundo. Os desafios começam com a questão da exposição pessoal, o que geralmente também inclui expor a própria família.


Além da falta de privacidade e de uma vida agitada, também existem os famosos “haters”. Às vezes você gera um conteúdo falando apenas de shows e espetáculos, promove algo neutro como camiseta personalizada para eventos, e chovem comentários maldosos.


Os haters são usuários que marcam presença na internet apenas para criticar, denegrir, depreciar ou mesmo perseguir algumas pessoas. Alguns deles chegam ao ponto do anonimato e do crime puro e simples, então é preciso ter cuidado.


Como criar uma identidade coerente?

Vamos ao ponto: gostar não basta, é preciso amar um assunto para se tornar um influenciador digital em sua área. Caso seu assunto seja mutável e se altere com o tempo (o que não é impossível), então o que se ama, neste caso, é a comunicação.


Se você arrasa ao falar sobre beleza, é natural que consiga promover algo como pulseira berloque prata fina. E não só vai convencer, como vai se satisfazer com isso. Eis o ponto importante, porque é preciso criar conteúdos de qualidade.


Essa criação inclui não apenas estar por dentro do seu nicho, por meio de pesquisas constantes, mas também a disposição e a criatividade, que geralmente não agem segundo nenhuma lógica, a não ser a do prazer de fazer o que se gosta.


Além do conteúdo, a definição do público-alvo e das personas também é fundamental. Cada conteúdo precisa ser pensado para alguém em específico, então crie pessoas fictícias e faça tudo pensando nelas, com isso sua assertividade será cada vez maior.


Se você trabalha com música, pode monetizar algo em torno de estúdio para ensaio, mas provavelmente não conseguiria incluir algo da área de beleza ou de saúde. É disso que a identidade trata: o assunto principal precisa ser único de algum modo.


Você pode até opinar em outras áreas, como política, crítica cultural e afins. Porém, produtos e anúncios que sejam muito divergentes tendem a denotar falta de identidade e desorientação na criação de conteúdos.


Identidade visual e brainstorming

Você já ouviu dizer que a beleza serve para aproximar duas pessoas, e o conteúdo da conversa vem depois? Então, é preciso pensar no formato, ou seja, na maneira como você vai embalar toda sua comunicação e sua monetização do trabalho feito.


Ninguém começa fazendo anúncio, primeiro é preciso criar um vínculo com o público, por meio de postagens pessoais. Mas se você vai atuar na área de sala de palestra, é bom já pensar nisso desde o começo, por meio da identidade visual.


Ao falar em palestra as pessoas pensam em quê? Você pode listar esses pontos, por exemplo:

  • Workshops;

  • Oficinas e Seminários;

  • Dinâmicas de grupo;

  • Exposição oral;

  • Comunicação;

  • Entre outros.

Após esse brainstorming, você pode concluir que sua identidade visual deve puxar para o azul escuro, que transmite serenidade e conhecimento, algo ligado a palestras. Em torno disso virão todas as imagens, layouts e até filtros de vídeo que você vier a utilizar.


Para ser influenciador é preciso investir em imagens criativas, além de multimídia bem produzida. Como vimos, isso é o que vai atrair a atenção das pessoas, depois virá o conteúdo em si.

Se você trata de arte, design ou mesmo gráficas que produzem adesivo grande personalizado, este conselho faz ainda mais sentido.


Uma dica para ajudar nas pesquisas e esforço criativo é estudar a concorrência, ou seja, entender melhor o posicionamento de outros influencers que fazem a mesma coisa que você. Isso também ajuda a decidir qual rede social faz mais sentido para o seu público.


Afinal, algumas exploram textos, outras exploram imagens, ou mesmo vídeos. Com isso vemos como o universo dos influenciadores digitais é encantador e como é possível empreender nessa área, com dicas que estão ao alcance de todos.


Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.


Navegue pelo Quem vai e quem fica:
Páginas principais:
  • Instagram
  • YouTube
  • Pinterest
Assine a nossa newsletter